Responsabilidade Sócioambiental

A responsabilidade socioambiental, expressa em suas diversas vertentes, constitui o principal pílar de atuação da COOPAITER.

Embora o excelente nível de preservação da floresta nativa existente no âmbito da Terra Indígena Sete de Setembro (TISS), a cooperativa mantém como contínua atribuição a adoção de medidas corretivas e fiscalizatórias, no intuito de evitar atividades degradantes e coibir energicamente a ocorrência de atividades ilícitas, além da usurpação, por parte de terceiros, dos multiformes recursos e bens ambientais de relevante valor econômico.

Em conformidade com o seu Estatuto Social, Regimento Interno e registros obtidos perante o Ministério da Fazenda e demais órgãos governamentais, a COOPAITER investe significativos esforços no desenvolvimento e especialização de lavouras e culturas produtivas eficientes e ambientalmente sustentáveis, em plena harmonia com a vasta Floresta Amazônica existente na TISS.

Para tanto, busca desenvolver métodos e técnicas produtivas compatíveis com a implementação de Sistemas Orgânicos de Produção, com vista à certificação das atividades empreendidas, na perspectiva de reflorestamento e recuperação florestal, com aproveitamento econômico das espécies inseridas, observadas as seguintes finalidades:

  • Oferta, em larga escala (abastecimento do mercado interno / exportação), de produtos saudáveis, isentos de contaminantes que possam ser evitados em função da não utilização de práticas e insumos que possam pôr em risco o meio ambiente e a saúde do produtor, do trabalhador ou do consumidor;
  • Preservação da diversidade biológica dos ecossistemas naturais e a recomposição ou incremento da diversidade biológica dos ecossistemas modificados onde estejam inseridos os sistemas de produção, com especial atenção às espécies ameaçadas de extinção;
  • Emprego de produtos e processos que mantenham ou incrementem a fertilidade do solo e promovam o desenvolvimento e equilíbrio da atividade biológica do solo;
  • Adoção de práticas nas unidades de produção que contemplem o uso saudável do solo, da água e do ar, de forma a reduzir ao mínimo todas as formas de contaminação e desperdícios desses elementos;
  • Estabelecimento de relações de trabalho baseadas no tratamento com justiça, dignidade e equidade, independentemente das formas de contrato de trabalho;
  • Incentivo à integração entre os diferentes participantes da rede de produção orgânica e a regionalização da produção e do comércio dos produtos, estimulando os circuitos curtos e a relação direta entre o produtor e o consumidor final;
  • Reciclagem de resíduos de origem orgânica, reduzindo ao mínimo possível o emprego de recursos naturais não renováveis;
  • Uso de boas práticas de manuseio e processamento com o propósito de manter a integridade orgânica e as qualidades vitais do produto em todas as etapas que vão da produção até chegar ao consumidor;
  • Desenvolvimento de ciclo virtuoso capaz de criar métodos, mecanismos, procedimentos e ferramentas de natureza tecnológica, administrativa e operacional, capaz de subsidiar o modelo cooperativista iniciado pela COOPAITER, e a consequente inserção de outras comunidades indígenas na matriz produtiva brasileira.